Sem categoria

The Big Bang Theory

<!– /* Font Definitions */ @font-face {font-family:Times; panose-1:2 0 5 0 0 0 0 0 0 0; mso-font-charset:77; mso-generic-font-family:roman; mso-font-format:other; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:3 0 0 0 1 0;} @font-face {font-family:Verdana; panose-1:2 11 6 4 3 5 4 4 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:auto; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:3 0 0 0 1 0;} @font-face {font-family:"Cambria Math"; panose-1:2 4 5 3 5 4 6 3 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:auto; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:3 0 0 0 1 0;} @font-face {font-family:Cambria; panose-1:2 4 5 3 5 4 6 3 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:auto; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:3 0 0 0 1 0;} @font-face {font-family:"Trebuchet MS"; panose-1:2 11 6 3 2 2 2 2 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:auto; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:3 0 0 0 1 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-unhide:no; mso-style-qformat:yes; mso-style-parent:""; margin-top:0in; margin-right:0in; margin-bottom:10.0pt; margin-left:0in; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:Cambria; mso-ascii-font-family:Cambria; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:Cambria; mso-fareast-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Cambria; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi;} .MsoChpDefault {mso-style-type:export-only; mso-default-props:yes; font-family:Cambria; mso-ascii-font-family:Cambria; mso-ascii-theme-font:minor-latin; mso-fareast-font-family:Cambria; mso-fareast-theme-font:minor-latin; mso-hansi-font-family:Cambria; mso-hansi-theme-font:minor-latin; mso-bidi-font-family:"Times New Roman"; mso-bidi-theme-font:minor-bidi;} .MsoPapDefault {mso-style-type:export-only; margin-bottom:10.0pt;} @page WordSection1 {size:8.5in 11.0in; margin:1.0in 1.25in 1.0in 1.25in; mso-header-margin:.5in; mso-footer-margin:.5in; mso-paper-source:0;} div.WordSection1 {page:WordSection1;}

   
“The Big Bang Theory” é um seriado pelo qual tenho um carinho especial.  Por vários motivos. 

No início de 2009, começava a trabalhar em uma série de TV para um concurso de roteiro – um drama sobre estudantes de baixa renda em uma escola pública – quando recebi a notícia de que um amigo havia sofrido um acidente de carro… dias antes de uma formatura que aguardávamos havia meses.

“Que filho da p*=%!”, foi minha primeira reação. “Foi bater o carro bem agora!” Mas aí descobri que ele estava em coma. Aí a coisa perdeu a graça. 

Passou o Carnaval, passou a formatura… nosso amigo ainda no hospital. E eu precisava escrever. Sentado no computador, pensava naqueles personagens que precisavam nascer, naquela história dramática que precisava se desenrolar. E nada… Não dava pra pensar em outra coisa senão no meu amigo. Será que ele vai acordar? Será que ele vai voltar a ser o Pindinha de antes?

Minha cabeça estava a mil. Não conseguia escrever uma palavra, estava quase desistindo do concurso, até que me lembrei do “The Big Bang Theory”. Um dos meus amigos – que faz aniversário hoje! – sempre falava desse seriado, de como era bom, de como era engraçado. Fanático por números, sempre achei a ideia de “um seriado sobre quatro cientistas nerds e uma gostosa” bem interessante. Resolvi assistir a um episódio para relaxar. Não consegui mais parar.
Naquela semana, a única coisa que tirava minha cabeça daquela tensão era o seriado.  Em meio àquele turbilhão de preocupações, “The Big Bang Theory” me fazia rir. Lembrei-me do filme “Sullivan’s Travels”, em que um diretor de cinema decide que quer fazer um filme-cabeça sobre os problemas da sociedade, até ver a alegria de um grupo de presos que assiste a um filme do Mickey. Foi então que decidi que não queria escrever um drama sobre a escola pública. Meu projeto virou o “Bola 7”, uma comédia sobre amigos em um bar de sinuca, que levam a vida com bom-humor apesar de todos os percalços.
Meu amigo eventualmente saiu do hospital, sem nenhuma sequela, e voltou a andar um ano depois. “Bola 7” bateu na trave. Chegou pertíssimo, mas não ganhou o concurso (não se pode ganhar todas…) E “The Big Bang Theory” continuou sendo meu seriado favorito.
Qual não foi minha surpresa quando, há alguns meses, recebo um e-mail de uma das minhas professoras nos convidando uma gravação ao vivo do seriado, e pedindo para que votássemos na data mais adequada: 16/11 ou 23/11. Perfeito! A não ser pelo fato de que em 16/11 estaria no Brasil. Com um jeitinho brasileiro, pedi aos meus colegas que votassem pelo dia 23. Deu certo.
Lá fomos nós no dia 23 aos estúdios da Warner. Passamos por galpões onde grandes clássicos do cinema foram filmados até chegarmos no estúdio de “The Big Bang Theory”… e ali, a poucos metros, estavam aqueles cenários que eu conhecia tão bem. Horas depois, entravam os atores e, como tantos outros que havia visto pela TV, vejo um episódio – “The Justice League Recombination” – surgir diante dos meus olhos. Pela primeira vez, me senti, de verdade, numa fábrica de sonhos.
Para tornar a noite mais incrível, ao término da gravação, pudemos descer até os cenários, sentar na poltrona do Sheldon, subir e descer as escadas falsas, transitar entre os atores e, o melhor de tudo, conversar com um dos criadores de tudo aquilo, Bill Prady.
Na saída, Kunal Nayyar – o Raj –, jogando pingue-pongue em um dos cenários, acenou para nós. “Obrigado por terem vindo”.
Sorri. “Eu é que agradeço”, pensei. Era como um ciclo que se completava.
Nilton Bonder, em seu livro “A Alma Imoral”, ao comentar sobre uma passagem bíblica, diz: 
“Surpreender-se é, na realidade, a maior prova de poder de um ser humano. Surpreender os outros é fazer uso de nossos truques já dominados; surpreender a si mesmo é ser um mago diante daquele que julgávamos ser.”
Naquele dia, por alguns instantes, tudo fez sentido. O porquê eu estava ali, o porquê eu escrevo, o porquê os filmes, os seriados, as novelas – as imagens em movimento – são importantes.
Enfim, me surpreendi.
Padrão